Casos de trauma de alta energia, como atropelamentos, acidentes com veículos ou quedas de grandes alturas, por exemplo, podem comumente resultar em fraturas da pelve. Em 90% dos casos pode, inclusive, estar relacionadas há outras lesões.

Alguns estudos demonstram que a incidência de mortalidade destes pacientes varia de 4% a 15%, frequentemente associada a traumas múltiplos e à hemorragia. Fatores de risco, como idade avançada ou paciente em choque, podem contribuir para a piora do paciente – podendo o levar à óbito.

Quando há sinais de sangramento na região genital ou anal é necessário um exame físico mais minucioso para ser descartado o diagnóstico de fraturas expostas, uma vez que esta situação também está relacionada com uma maior mortalidade dos pacientes.

Mesmo em fraturas que aparentemente não representem uma maior instabilidade na radiografia, a instabilidade hemodinâmica nos obriga a descartar outros focos de sangramentos ou sangramento retroperitonial, pois pode ser letal.